Eliminar o insucesso escolar

Propositum capiunt Tartara, facta Polus.

As experiências com os programas e métodos de ensino durante os últimos 20 anos criaram uma série de problemas de fundo no sistema escolar, resolúveis apenas a médio e longo prazo. Com efeito, o ensino superior também não consegue funcionar eficazmente, pela falta de alunos adequadamente preparados pelo ensino básico e secundário. Infelizmente, o recente "Debate Nacional sobre Educação", promovido pelo CNE, deixou os assuntos metódicos no esquecimento completo.

Problemas identificados

A análise detalhada que efectuamos nos dois capítulos anteriores, baseada nas notas dos Exames Nacionais de Português e Matemática do 12º ano, demonstrou que um aluno médio não consegue ler, perceber e interpretar um texto escrito, tem falta de competências Matemáticas e de pensamento abstracto, com consequentes limitações graves em todas as disciplinas do currículo escolar.

Suas origens

Os problemas detectados originam-se nos erros metódicos, introduzidos com base em teorias pedagógicas cuja inconsistência foi já amplamente demonstrada nos últimos 20 anos de práticas educativas em Portugal, pelos resultados desastrosos obtidos. Como demonstrámos, o aluno médio, ensinado com base nestas teorias, não consegue adquirir na Escola nenhuma das competências fundamentais. Como consequência, estará fortemente limitado na continuação da sua educação, tanto a nível universitário, como ao nível da formação contínua, e nas possibilidades de emprego, durante a sua vida. Devemos sublinhar que as inevitáveis falhas na organização do processo educativo e na competência de alguns professores apenas ligeiramente agravam o efeito fortemente prejudicial dos erros metódicos.

Metas

O aluno médio, no final do 12º ano, deverá ter uma média de “Bom”. Introduzidas hoje as alterações metódicas necessárias no ensino escolar, os alunos que entrarão este ano no 1º ano da escola primária terão todas as condições imprescindíveis para quebrar as tradições tristes às quais já estamos acostumados.

Medidas propostas

As medidas indispensáveis e urgentes já foram detalhadas nos capítulos anteriores, e incluem a introdução do método fonético no ensino de leitura, na escola primária, e dos exercícios para desenvolvimento das capacidades de memorização sistematizada, em todas as disciplinas do currículo escolar. Alem disso, devemos esquecer as tentativa inúteis de usar o pensamento "crítico e independente" dos alunos do 1º e 2º Ciclos do Ensino Básico. O que está em causa são os métodos pedagógicos inválidos, que travam o desenvolvimento intelectual do aluno e não lhe permitem dominar as matérias curriculares. As alterações propostas são compatíveis com o modelo escolar e o modelo de ensino existentes.

Perspectivas correntes do sistema educativo nacional

No seu estado corrente, o sistema educativo reproduz a ignorância, na escala sempre mais alargada, pois já se tornam professores as pessoas formadas nos últimos 20 anos, na educação das quais o sistema escolar falhou redondamente.

4 comentários:

Rui Baptista disse...

A DESARTICULAÇÃO ENTRE OS VÁRIOS GRAUS DE ENSINO DEU AZO A QUE O PROF. CATEDRÁTICO DE FíSICA, ANTóNIO MANUEL BAPTISTA, SE QUEIXASSE AMARGAMENTE DO FACTO DE HAVER ALUNOS LICENCIADOS EM FíSICA QUE SAEM DA FACULDADE SEM NUNCA TEREM DADO O PRINCÍPIO DE ARQUIMEDES POR OS PROFESSORES UNIVERSITÁRIOS DA MATÉRIA PENSAREM TER ELE SIDO DADO NO ENSINO SECUNDÁRIO, MAS NICLES!...

Manel João disse...

Só vou dar um exemplo, a título pessoal.
O meu professor de História, bom amigo e talvez um bom professor porque ensina bem e vê-se que conseguimos aprender. No entanto, e isto é veridico, não consegue escrever uma frase sem dar um erro ortográfico.
Isto vindo de uma pessoa licenciado em história..
Algo está mal.

Mário de Noronha disse...

Neste contexto,temos os nossos livros SUCESSO ESCOLAR, APOIO PSICOPEDAGÓGICO e REEDUCAR COMO?, publicados pela Plátano EDitora.
Neles falámos nos nossos trabalhos de reeducação «depois» de detectadas as dificuldades.
Seria mas interessante conseguir despistá-las e escrutiná-las «antes».
Mudar muitos métodos «inadequados» seria muito mais interessante.
Infelizmente, ainda continuamos agarrados a certos preconceitos que não nos deixam uma movimentação pronta para «arregaçar as mangas» e trabalhar. É tudo formal e bonito mas inadequedo e ineficaz.
Vejam o que se passa com os autistas. Existem dois posts sobre este assunto.

Anónimo disse...

Exemplo de "educação" em Portugal 2013 - Video http://www.filehurricane.com/media/9867 ... Petição para acabar como este site perigosíssimo em http://peticaopublica.com/PeticaoVer.aspx?pi=P2013N38793